Alois Alzheimer

A Mais Completa Biografia Ilustrada de Alois Alzheimer

O Portal de Conteúdo Sobre Alzheimer na Web Mundial

Tratamento Sintomático

Embora haja muitos esforços para encontrar a cura ou o controle da doença de Alzheimer (DA), pouca atenção normalmente é dada ao tratamento dos distúrbios de comportamento que fazem parte do quadro e sabe-se que, mais cedo ou mais tarde, eles irão ocorrer, devendo ser corretamente diagnosticados e tratados. Esses distúrbios são angustiantes para o paciente e atingem particularmente os familiares e cuidadores. O tratamento e controle das alterações de comportamento são muito importantes.
O manejo inadequado dessa questão pode determinar que o paciente seja institucionalizado, muitas vezes sem real necessidade.
Os antipsicóticos, ansiolíticos e antidepressivos estão disponíveis, mas não especificamente aprovados por organismos como a FDA para serem utilizados no tratamento da doença de Alzheimer. Não que os médicos não os prescrevam, ocorre que o fazem sem base sólida, em razão da falta de uma investigação científica rigorosa.
Os poucos estudos disponíveis não são conclusivos, muitas vezes são mal desenhados, com amostragens não representativas e não controlados. A principal missão da FDA é regulamentar e controlar como
a indústria farmacêutica divulga e promove seus produtos, protegendo a
população, inclusive a classe médica, de falsas promessas. Um passo nessa direção foi dado pela FDA em 9 de março de 2000 em Rockville, Maryland, EUA, por ocasião da reunião do seu Comitê Assessor em Psicofarmacologia. Foram convidados laboratórios, pesquisadores e entidades médicas envolvidas com essa questão. Nessa reunião, definiram-se as linhas gerais e os critérios a serem observados e que devem nortear o estudo e a indicação dessas drogas, novas e antigas.
A FDA reconheceu o distúrbio de comportamento de pacientes com DA como uma entidade clínica definida e decidiu não aprovar nenhuma droga já existente para esse fim. Deve-se ressaltar o enorme interesse econômico da indústria farmacêutica, pois as cifras são absurdamente altas e crescentes.
Em um simpósio durante o “World Alzheimer Congress” em 2000, Jeffrey L. Cummings, professor de Neurologia e diretor da Faculdade de Medicina da Ucla School of Medicine Alzheimer’s Disease Center em Los Angeles, apresentou um trabalho demonstrando que na população atendida em seu serviço a ocorrência desse distúrbio é extremamente comum e declarou que esse era um dos maiores desafios no tratamento correto dos pacientes com DA.
Felizmente, mesmo com a falta de estudos sólidos, a maioria desses distúrbios pode ser controlada com a medicação disponível. À medida que a doença evolui, comprometendo cada vez mais a cognição e a funcionalidade, os distúrbios comportamentais acabam por atingir aproximadamente 90% dos pacientes. Estados de agitação psicomotora afetam a metade deles. Vagância, agressividade, ansiedade e alucinações são comuns e determinam muitas vezes que esses pacientes sejam institucionalizados.
Depressão, inapetência, insônia e irritabilidade também são comuns. O uso de antidepressivos sempre deve ser considerado, mesmo em pacientes que não apresentam quadros clássicos. O tratamento correto dessas alterações é muito importante e melhora significativamente a qualidade de vida não só do paciente, como também dos que estão envolvidos em seus cuidados no dia a dia.
De uma maneira geral, os sedativos potentes e de meia e longa vida devem ser evitados, pois podem piorar muito o quadro e, por vezes, apresentam efeito paradoxal.
Drogas antipsicóticas devem ser usadas em doses seguras e suficientes para controlar crises de agressividade e vagância noturna. A escolha da droga vai depender dos efeitos colaterais, do histórico da resposta anterior do paciente e da experiência do médico com o manejo do medicamento.
Algumas vezes vemos pacientes recebendo drogas antipsicóticas em altas doses e por esse motivo também recebem drogas antiparkinsonianas. O mais comum é o biperideno com potente ação anticolinérgica. Deve-se questionar seriamente esse tipo de associação uma vez que existem alternativas mais seguras.
Os ansiolíticos benzodiazepínicos devem ser evitados. De preferência, tentar inicialmente abordagens não medicamentosas é sempre a melhor conduta. Só se estas tentativas fracassarem ou se não forem viáveis, eventualmente, pode-se usar, por breves períodos, aqueles de curta ação como o lorazepan (Lorax®), pois apresentam menos efeitos colaterais e impacto sobre a cognição já comprometida.
Diazepínicos de longa duração como diazepan e flurazepan devem definitivamente ser evitados.
Alguns clínicos relatam boa efetividade e segurança no uso de drogas anticonvulsivantes para tratar agitação e agressividade como a carbamazepina (Tegretol®).

Estados delirantes
Não existe uma boa palavra em português para definir corretamente esse sintoma. Conhecemos e identificamos esse distúrbio como, fantasia, paranóia, etc.
Esse sintoma é diferente do termo “delirium” que se caracteriza pela apresentação de quadros delirantes secundários a uma alteração de substrato orgânico.
Essa dificuldade de definição do termo tem sido objeto de muita polê-
mica e de artigos médicos, que discutem os critérios utilizados na conceituação desse sintoma. Simplesmente dizer que a pessoa “imagina coisas que não existem” é insuficiente.
Pessoas que comungam crenças religiosas, culturas diversas e exóticas, realmente acreditam em certas coisas que outras não acreditam, e nem por isso devem ser rotuladas de “um sintoma”.
A sensação de ser seguido, perseguido, ameaçado sexualmente ou de morte, de que “aquelas pessoas conversando estão conspirando, falando mal de mim” faz parte dessa manifestação clínica.
Em uma perspectiva histórica, August Deter, a paciente inaugural de Alois Alzheimer, apresentou como primeiro sintoma uma crise infundada de ciúmes de seu marido.
Estudos mostram que esse problema é muito frequente e que afeta de 25% a 50% dos pacientes com DA. Essa manifestação normalmente apresenta-se associada a alucinações, agitação e reações catastróficas. O uso de antipsicóticos pode melhorar muito esse sintoma, nunca se esquecendo de seus potenciais efeitos colaterais.
Apenas dois, mas, excelentes estudos, com desenho multicêntrico, duplo-cego, placebo-controlado, de pacientes com essa sintomatologia, estudaram a eficácia de drogas psicotrópicas especificamente em Alzheimer.
O primeiro ensaio concluiu que, com o uso da risperidona, com doses de 1 a 2 mg, o controle do distúrbio era superior ao observado nos placebos, porém isso não ocorria com doses de 0,5 mg.
No segundo estudo, os pesquisadores examinaram os efeitos da olanzepina em pacientes com alucinações e agitação. Concluíram que os sintomas eram controlados com doses de 5 ou 15 mg, mas os resultados também demonstraram que apenas com a dose de 15 mg a eficácia era melhor quando comparada aos placebos.

Agitação psicomotora
A agitação é o distúrbio de comportamento mais comum, afetando mais de 75% dos pacientes com DA, e que aumenta sua frequência à medida que a doença evolui. A agitação costuma ser acompanhada de ansiedade, ilusões e irritabilidade. Nunca é demais relembrar a possibilidade de se estar diante de um quadro que tem outra causa podendo ser uma dor, um desconforto, efeito adverso de medicamentos ou fatores ambientais ou relacionados com os cuidados ministrados. Pacientes com DA não conseguem expressar o que sentem, frio, calor, fome, sede, dor etc. Infecções do trato urinário também podem levar a esse quadro.
Cabe aqui um alerta: não é raro que os familiares de pacientes com agitação ou os responsáveis pelas casas de repouso pressionem o médico para medicar ou aumentar a dose de sedativos, muitas vezes pelo telefone, isso quando não decidem aumentar a dosagem por conta própria, o que pode gerar consequências traumáticas. Essa angústia é facilmente entendida, mas, se não há oportunidade de examinar o paciente, deve-se resistir a essa pressão.
O vínculo entre familiares e médico deve ser de confiança. A família precisa saber, confiar e entender que o que se está negando é para o bem do paciente. É claro que o médico experiente oferecerá alternativas para o controle do sintoma.
Numerosas drogas são utilizadas para controlar a agitação; antipsicóticos, ansiolíticos e anticonvulsivantes são os mais usados.
Os antipsicóticos atípicos como a risperidona, que recebem essa denominação por não apresentarem efeitos anticolinégicos severos , são eficazes se administrados em doses adequadas. Somente os antipsicóticos atípicos e alguns anticonvulsivantes demonstraram eficácia em ensaios duplo-cegos, placebo-controlados na ação contra a doença de Alzheimer.
Em um estudo, doses flexíveis (de 0,5 a 4,0 mg/dia) de risperidona foram significativamente superiores aos placebos em pacientes, apresentando melhores pontuações na avaliação feita com base no Cohen-Mansfield
Agitation Inventory; doses similares de haloperidol não foram positivas. Desde que o uso de haloperidol represente uma queda de 2 pontos
no miniexame do estado mental, a partir de sua introdução, além dos efeitos anticolinérgicos pronunciados, reforça-se a indicação do uso preferencial dos antipsicóticos atípicos.
No estudo citado anteriormente, com a olanzapina na dose 5 ou
10 mg, reduziu-se a agitação avaliada pelo Neuropsychiatric Inventory em 4 pontos,o dobro do benefício verificado com o uso de placebo. Entretanto, mais uma vez, a dose de 15 mg não demonstrou eficácia, reforçando a possibilidade de essa droga ter uma janela terapêutica.
Enquanto não existe uma base neuroanatômica para o entendimento da agitação relacionada com a doença de Alzheimer, Dr. Cummings, eminente estudioso dessa questão, naquele mesmo congresso, relatou que ele e seus colegas haviam identificado alguns fatos animadores.
Examinamos algumas amostras de material obtido por necropsia de pacientes com DA confirmada e aí fizemos uma retrospectiva com os dados do Neuropsychiatric Inventory. Encontramos, nos pacientes com histórico de agitação, uma quantidade muito maior de novelos fibrilares no lobo frontal quando comparados com os que tinham DA mas que não apresentavam agitação. A parte remanescente do córtex frontal estava preservada, e o número de placas amiloides não era diferente entre esses dois grupos. Considero que não estamos muito longe de entender a neurobiologia dos distúrbios de comportamento na doença de Alzheimer”.Concluiu.
Depressão
Quando comparada com os sintomas psicóticos, a depressão é menos frequente na DA, afetando de 6% a 10% dos pacientes. Entretanto, cerca de 40% apresentam sintomas depressivos, que podem piorar seriamente a dependência funcional. Esse é mais uma razão para tratar esses pacientes não apenas pela alteração do humor, mas também para a preservação e até na melhoria do estado funcional.
Acredita-se que mais de 40% dos pacientes apresentam esse transtorno afetivo e, quando corretamente medicados, apresentam sensível melhora de um modo geral. Atualmente, a maioria dos pacientes com DA são medicados com os inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS), que só é descontinuada se após 4 a 6 meses os pacientes não apresentarem um benefício significativo.
Poucos estudos bem controlados investigaram essa questão, os poucos publicados mostraram redução dos sintomas depois de ‘‘6 semanas de tratamento, justificando essa conduta.
Muitas vezes, após a retirada da medicação antidepressiva, observa-se um declínio importante tanto na cognição como nas atividades básicas e/ou instrumentais da vida diária, o que determina a indicação de reintrodução da droga.
Os antidepressivos tricíclicos devem ser evitados por causa de sua marcada ação anticolinérgica. Alguns clínicos iniciam sua estratégia terapêutica prescrevendo esse tipo de medicação antes de introduzir o tratamento específico.
Os inibidores seletivos da recaptação de serotonina são a classe de escolha, por apresentarem menos efeitos colaterais – paroxetina (Aropax®), sertralina (Zoloft®), citalopran (Cipramil®) e escitalopran (Lexapro®) – quando comparados com os tricíclicos que devem ser evitados por seu pronunciado efeito anticolinérgico.
A escolha da droga vai depender do perfil que se quer atingir, pois algumas têm ação sedativa e ansiolítica, enquanto outras não apresentam essas características.
Alguns antidepressivos interagem com alguns anticolinesterásicos, devendo merecer uma avaliação quando da indicação.

Anticolinesterásicos
Se bem que os inibidores de colinesterase sejam classicamente e indicados por seus efeitos na esfera da cognição e no retardamento da evolução da doença, eles também auxiliam no controle dos distúrbios de comportamento. Embora as evidências que apoiam o uso para esse fim sejam quase sempre indiretas, existem algumas maneiras de entender o impacto que essas drogas causam.
Estudos epidemiológicos demonstraram que, por exemplo, pacientes com DA que estavam sendo medicados com donepezil usavam muito menos antidepressivos, antipsicóticos e ansiolíticos quando comparados com aqueles que não utilizavam o anticolinesterásico. Esse fato ilustra muito bem o efeito que essas drogas têm sobre o comportamento dos pacientes com DA.
Dentre alguns ensaios semelhantes, um mostrou que pacientes com DA que estavam internados em uma “Nursing Home”, com no mínimo de 3 pontos no “Neuropsychiatric Inventory”, receberam rivastigmina.

Na 52ª semana, o nível de distúrbios de conduta e de alteração de humor, apatia, ilusão, alucinações e abulia cognitiva havia diminuído sensivelmente. Foi surpreendente verificar que a medicação não teve nenhum efeito sobre a agitação de apresentação aguda, demonstrando a heterogeneidade clínica desses sintomas e a variedade da resposta farmacológica.
A combinação dessas drogas é muitas vezes necessária para atingir o objetivo do tratamento, porém não se deve perder de vista que a maioria desses pacientes são idosos, que recebem outros medicamentos para o controle de doenças concomitantes e assim, a interação medicamentosa é esperada e deve ser evitada.
A população mais afetada pela DA pertence à faixa etária geriátrica, devendo-se, portanto, levar em conta as peculiaridades clínicas desse grupo que será tratado.
A farmacocinética e a farmacodinâmica modificam-se durante o
processo de envelhecimento. Vários sistemas apresentam desempenho funcional diminuído, alterando a absorção, a distribuição e o metabolismo das drogas. Isso ocorre especialmente nos tratos gastrintestinal, cardiovascular, renal e hepático, na relação gordura/músculo, nos níveis de albumina e na hipersensibilidade de receptores a certas substâncias, aumentando a possibilidade de interação. Algumas regras sempre são úteis quando se prescreve para pacientes idosos:

 

Referências Bibliográficas

Aalten P., J. Jolles, M. E. de Vugt, and F. R.J. Verhey.The Influence of Neuropsychological Functioning on Neuropsychiatric Problems in Dementia.J Neuropsychiatry Clin Neurosci, February 1,2007;19(1):50-56.
Aarsland D, Sharp S, Ballard C. Psychiatric and behavioral symptoms in Alzheimer’s disease and other dementias: etiology and management. Curr Neurol Neurosci Rep. 2005 Sep;5(5):345-54.
Bacanu et al. Heritability of Psychosis in Alzheimer Disease. AJGP 2005;13:624-627.
Ballard, C. G. & O’Brien, J. T. (1999) Pharmacological treatment of behavioural and psychological signs in Alzheimer’s disease: how good is the evidence for current pharmacological treatments? BMJ, 319, 138-139.
Bhalla R. K., M. A. Butters, B. H. Mulsant, A. E. Begley, M. D. Zmuda, B. Schoderbek, B. G. Pollock, C. F. Reynolds III, and J. T. Becker.Persistence of Neuropsychologic Deficits in the Remitted State of Late-Life Depression.Am J Geriatr Psychiatry, May 1,2006; 14(5): 419-427.
Cook S. E., S. Miyahara, S.-A. Bacanu, G. Perez-Madrinan, O. L. Lopez, D. I. Kaufer, V. L. Nimgaonkar, S. R. Wisniewski, S. T. DeKosky, and R. A. Sweet.Psychotic Symptoms in Alzheimer Disease: Evidence for Subtypes.Am J Geriatr Psychiatry, August 1, 2003;11(4):406-413.
Craig D., A. Mirakhur, D. J. Hart, S. P. McIlroy, and A. P. Passmore.A Cross-Sectional Study of Neuropsychiatric Symptoms in 435 Patients With Alzheimer’s Disease.Am J Geriatr Psychiatry, June 1, 2005; 13(6): 460-468.
Cummings J. L., T. McRae, R. Zhang, and The Donepezil-Sertraline Study Group.Effects of Donepezil on Neuropsychiatric Symptoms in Patients With Dementia and Severe Behavioral Disorders.Am J Geriatr Psychiatry, July 1, 2006;14(7):605-612.
Cummings J. L. Neuropsychiatric and behavioral alterations and their management in moderate to severe Alzheimer disease.Neurology, September 27, 2005; 65(6 suppl 3): S18-S24.
DiCenso G.Clinically useful measures of the effects of treatment.Evid. Based Nurs., April 1, 2001; 4(2):36-39.
Ellul et al.The effects of commonly prescribed drugs in patients with Alzheimer’s disease on the rate of deterioration. J. Neurol. Neurosurg. Psychiatry 2007;78:233-239.
Finkel, S. I., Costa de Silva, J., Cohen, G., et al (1996) Behavioural and psychological signs and symptoms of dementia: a consensus statement on current knowledge and implications for research and treatment. International Journal of Psychogeriatrics, 8, 497-500.
Flint J. Delusions, hallucinations and depression in Alzheimer’s disease: A biological perspective.American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, May 1, 1991; 6(3):21-28.
Francis PT, Nordberg A, Arnold SE. A preclinical view of cholinesterase inhibitors in neuroprotection: do they provide more than symptomatic benefits in Alzheimer’s disease? Trends Pharmacol Sci. 2005 Feb;26(2):104-11.
Herrmann et al.Noradrenergic Activity is Associated with Response to Pindolol in Aggressive Alzheimer’s Disease Patients. J Psychopharmacol 2004;18:215-220.
James, I., Kendell, K. & Reichelt, F. K. (1999) Using a cognitive rationale to conceptualise anxiety in people with dementia. Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 27, 345-351.
Kálmán J, Palotás A, Juhász A, Rimanóczy A, Hugyecz M, Kovács Z, Galsi G, Szabó Z, Pákáski M, Fehér LZ, Janka Z, Puskás LG. Impact of Venlafaxine on Gene Expression Profile in Lymphocytes of the Elderly with Major Depression - Evolution of Antidepressants and the Role of the “Neuro-Immune” System. Neurochem Res. 2005 Nov;30(11):1429-1438.
Kirby M. and B. A. Lawlor.Biologic Markers and Neurochemical Correlates of Agitation and Psychosis in Dementia.J Geriatr Psychiatry Neurol, October 1, 1995; 8(1):S2-S7.
Lanari A, Amenta F, Silvestrelli G, Tomassoni D, Parnetti L. Neurotransmitter deficits in behavioural and psychological symptoms of Alzheimer’s disease. Mech Ageing Dev. 2005 Nov 15.
Lanctot et al.Medial Temporal Hypoperfusion and Aggression in Alzheimer Disease.Arch Neurol 2004;61:1731-1737.
Lopez et al.Cholinesterase inhibitor treatment alters the natural history of Alzheimer’s disease. J. Neurol. Neurosurg. Psychiatry 2002;72:310-314.
Lopez et al.Lewy bodies in the amygdala increase risk for major depression in subjects with Alzheimer disease.Neurology 2006;67:660-665.
Lopez et al.Patterns of Change in the Treatment of Psychiatric Symptoms in Patients With Probable Alzheimer’s Disease From 1983 to 2000. .J. Neuropsychiatry Clin. Neurosi. 2003;15:67-73.
Lopez et al.Psychiatric Symptoms Vary With the Severity of Dementia in Probable Alzheimer’s Disease.
J. Neuropsychiatry Clin. Neurosi. 2003;15:346-353.
Lopez O. L., S. R. Wisniewski, J. T. Becker, F. Boller, and S. T. DeKosky.Psychiatric Medication and Abnormal Behavior as Predictors of Progression in Probable Alzheimer Disease.Arch Neurol, October 1, 1999; 56(10):1266-1272.
Margallo-Lana, M., Swann, A., O’Brien, J., et al (2001) Prevalence and pharmacological management of behavioural and psychological symptoms amongst dementia sufferers living in care environments. International Journal of Geriatric Psychiatry, 16, 39-44.
Mauskopf JA, Paramore C, Lee WC, Snyder EH. Drug persistency patterns for patients treated with rivastigmine or donepezil in usual care settings. J Manag Care Pharm. 2005 Apr;11(3):231-51.
McShane, R., Keene, J., Gedling, K., et al (1997). Do neuroleptic drugs hasten cognitive decline in dementia? Prospective study with necropsy follow-up. BMJ, 314, 211-212.
Palmer K., A. K. Berger, R. Monastero, B. Winblad, L. Backman, and L. Fratiglioni.Predictors of progression from mild cognitive impairment to Alzheimer disease.Neurology, May 8, 2007; 68(19):1596-1602.
Pantev, M.; Ritter, R.; Görtelmeyer, R. - Clinical and behavioural evaluation in long-term care patients with mild to moderate dementia under Memantine treatment. Zeitschrift für Gerontopsychologie und Psychiatrie 1993;6:103-17.
Payne J. L., C. G. Lyketsos, C. Steele, L. Baker, E. Galik, S. Kopunek, M. Steinberg, and A. Warren Relationship of Cognitive and Functional Impairment to Depressive Features in Alzheimer’s Disease and Other Dementias.J Neuropsychiatry Clin Neurosci, 1998 Nov 1; 10(4):440-447.
Perez-Madrinan et al.Alzheimer Disease With Psychosis: Excess Cognitive Impairment Is Restricted to the Misidentification Subtype. AJGP 2004;12:449-456.
Perez-Madrinan G., S. E. Cook, J. A. Saxton, S. Miyahara, O. L. Lopez, D. I. Kaufer, H. J. Aizenstein, S. T. DeKosky, and R. A. Sweet.Alzheimer Disease With Psychosis: Excess Cognitive Impairment Is Restricted to the Misidentification Subtype.Am J Geriatr Psychiatry, 2004 Oct 1;12(5):449-456.
Powlishta K. K., M. Storandt, T. A. Mandernach, E. Hogan, E. A. Grant, and J. C. Morris.Absence of Effect of Depression on Cognitive Performance in Early-Stage Alzheimer Disease.Arch Neurol, 2004 Aug 1;61(8):1265-1268.
Reifler BV, Teri L, Raskind M, et al. Double-blind trial of imipramine in Alzheimer’s Disease patients with and without depression. Am J Psychiat 1989;146:45-49.
Reisberg B, Ferris SH, Anand R, et al.  Effects of naloxone in senile dementia: a double blind trial. New Engl J Med 1983;308:721-22.
Román GC, Kalaria RN. Vascular determinants of cholinergic deficits in Alzheimer disease and vascular dementia. Neurobiol Aging. 2005 Nov 18.
Ropacki and Jeste. Epidemiology of and Risk Factors for Psychosis of Alzheimer’s Disease: A Review of 55 Studies Published From 1990 to 2003.Am. J. Psychiatry 2005;162:2022-2030.
Rosengarten B, Paulsen S, Molnar S, Kaschel R, Gallhofer B, Kaps M. Acetylcholine esterase inhibitor donepezil improves dynamic cerebrovascular regulation in Alzheimer patients. J Neurol. 2005 Aug 17.
Ryu et al.Persistence of and Changes in Neuropsychiatric Symptoms in Alzheimer Disease Over 6 Months: The LASER-AD Study. AJGP 2005;13:976-983.
Sayeg N, “Peculiaridades Clínicas do Diagnóstico das Demências em Geriatria“. Revista Gerontologia Ano I - nº 2, jun/1993
Sayeg N, “Síndrome Neuroléptica Malígna – Relato de Caso e Revisão da Literatura Revista GerontologiaAno I - nº4, dez/1993
Sayeg N, “Como Diagnosticar e Tratar Doença de Alzheimer“. “Revista Brasileira de Medicina. Vol 50 N-11 Novembro 1993
Sayeg.N.“Doença de Alzheimer” Revista Ars Curandi. Nov/Dez/1993
Sayeg.N“Estados Confusionais “RBM Revista Brasileira de Medicina.Vol. 52 - nº 3 - mar/1995
Scarmeas N, Brandt J, Albert M, Hadjigeorgiou G, Papadimitriou A, Dubois B, Sarazin M, Devanand D, Honig L, Marder K, Bell K, Wegesin D, Blacker D, Stern Y. Delusions and hallucinations are associated with worse outcome in Alzheimer disease. Arch Neurol. 2005 Oct;62(10):1601-8.
Sweet et al.Alterations of Striatal Dopamine Receptor Binding in Alzheimer Disease Are Associated With Lewy Body Pathology and Antemortem Psychosis.Arch Neurol 2001;58:466-472.
Sweet et al.Apolipoprotein E and Alpha-1-Antichymotrypsin Genotypes Do Not Predict Time to Psychosis in Alzheimer’s Disease. J Geriatr Psychiatry Neurol 2002;15:24-30.
Sweet et al.Increased familial risk of the psychotic phenotype of Alzheimer disease.Neurology 2002;58:907-911.
Teri L, Reifler BV, Veith RC, et al. Imipramine in the treatment of depressed Alzheimer’s patients: impact on cognition. J Gerontol 1991;46:P372-377.
Van Diepen, E., Baillon, S., Redman, J., et al (2002) A pilot study of the physiological and behavioural effects of Snoezelen in dementia. British Journal of Occupational Therapy, 65(2), 61-66.
Vilalta-Franch J., J. Garre-Olmo, S. Lopez-Pousa, A. Turon-Estrada, M. Lozano-Gallego, M. Hernandez-Ferrandiz, I. Pericot-Nierga, and R. Feijoo-Lorza.Comparison of Different Clinical Diagnostic Criteria for Depression in Alzheimer Disease.Am J Geriatr Psychiatry, July 1, 2006; 14(7): 589-597.
Wiles, A. & Brooker, D. (2003) Complementary therapies in dementia care. Journal of Dementia Care, 11, 31-36.
Wilkosz et al.Prediction of psychosis onset in Alzheimer disease: the role of cognitive impairment, depressive symptoms, and further evidence for psychosis subtypes.AJGP 2006;14:352-360.
Wilkosz P. A., S. Miyahara, O. L. Lopez, S. T. DeKosky, and R. A. Sweet.Prediction of psychosis onset in Alzheimer disease: the role of cognitive impairment, depressive symptoms, and further evidence for psychosis subtypes.Am J Geriatr Psychiatry, 2006 Apr 1;14(4):352-360.
Wilkosz P. A., S. Miyahara, O. L. Lopez, S. T. DeKosky, and R. A. Sweet.Prediction of psychosis onset in Alzheimer disease: the role of cognitive impairment, depressive symptoms, and further evidence for psychosis subtypes.Am J Geriatr Psychiatry, 2006 Apr 1;14(4):352-360.
Wilson et al.Hallucinations and Mortality in Alzheimer Disease. AJGP 2005;13:984-990.
Wilson et al.Hallucinations, delusions, and cognitive decline in Alzheimer’s disease. J. Neurol. Neurosurg. Psychiatry 2000;69:172-177.
Woods, R. T. (1999) Psychological Problems of Ageing. Chichester: John Wiley and Sons.

 

Veja também:

Antagonista dos Receptores de Glutamato

Bases Atuais da Terapêutica

Inibidores da Acetilcolinesterase (Parte 1)

Inibidores da Acetilcolinesterase (Parte 2)

Novas Drogas - Perspectivas (Parte 1)

Novas Drogas - Perspectivas (Parte 2)

Novas Drogas - Perspectivas (Parte 3)

Outras Possibilidades Terapêuticas

Tratamento não Farmacológico