Alois Alzheimer

A Mais Completa Biografia Ilustrada de Alois Alzheimer

O Portal de Conteúdo Sobre Alzheimer na Web Mundial

Epidemiologia

Envelhecimento populacional e doença de Alzheimer

O mundo vem enfrentando um envelhecimento progressivo de sua população.

Em 1950, havia 214 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, atualmente, onze por cento da população mundial já atingiu esse patamar.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2025, existirão 1,2 bilhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo que, os indivíduos muito idosos (com 80 anos ou mais) compõem o grupo de maior crescimento.

O Brasil, a exemplo de outros países, enfrenta o mesmo fenômeno.

A população brasileira vem envelhecendo rapidamente. Segundo o es­tudo da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil é o oitavo país que mais contribui para o aumento da população mundial – atrás apenas de Índia, China, Paquistão, Nigéria, Estados Unidos, Bangladesh e Indonésia.

De acordo com o IBGE , em 1999, a esperança média de vida dos brasileiros que era de 70 anos, passou para 73,1 anos em 2009 - um aumento de 3,1 anos em uma década. Sendo 76,7 anos para as mulheres e 69,1 anos para os homens.

O censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2010, encontrou 14,5 milhões de brasileiros com 60 anos ou mais.

Eles representam 8,6 % da população total, contra 7,3% em 1991. Projeção do IBGE mostra que o Brasil terá 216 milhões de habitantes em 2025, dos quais 32 milhões (14,8 %) serão idosos. Em 2050, quando a expectativa de vida possivelmente alcançará 81,2 anos, serão 52 milhões de brasileiros idosos.

Desse total, 2,2 milhões terão mais de 100 anos, números que confirmam os dados apresentados pelo autor deste site no XV Congresso Mundial de Gerontologia em Budapeste, em 1993: “A realidade dos centenários brasileiros” (Norton Sayeg, 1993) quando demonstrou que a taxa de centenários que era, em 1990, de 0,8%  aumentaria, alcançando em 2025 cerca 1% da população e com tendência a crescer progressiva e rapidamente.

 

POPULAÇÃO TOTAL E PROPORÇÃO DA POPULAÇÃO
POR SEXO, GRANDES GRUPOS DE IDADE
E SITUAÇÃO DE DOMICÍLIO

 

1980

1990

1996

2000

População total (1)

  119.002.706

  146.825.475

  157.070.163

  169.799.170

Por sexo (%)

 

Homens

49,68

49,36

49,30

49,22

Mulheres

50,31

50,63

50,69

50,78

 

Por grandes grupos de idade (%)

 

0-14 anos

38,20

34,72

31,54

29,60

15-64 anos

57,68

60,45

62,85

64,55

65 e mais

4,01

4,83

5,35

5,85

 

Por situação do domicílio (%)

 

Urbana

67,59

75,59

78,36

81,25

Rural

32,41

24,41

21,64

18,75

 

NOTA (1):Inclusive a população com idade ignorada em 1980 e 1996

Fonte: IBGE 

 A distribuição da população de 60 anos ou mais também demonstra uma queda na porcentagem da fração de 60 a 64 anos e acentuado aumento nos grupos etários de 70 anos e mais.

A expectativa de vida aumentou rapidamente:

Esperanças de Vida ao Nascer - 1985-2001

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO,IDOSOS NO MUNDO


E a mortalidade diminuiu...

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO,IDOSOS NO MUNDO

A pirâmide populacional no Brasil vai progressivamente adotando a forma de barril, característica dos países desenvolvidos.


Houve relativa melhora no acesso da população aos serviços de saúde, além de campanhas de vacinação, aumento de pré-natais, alta na escolaridade e no saneamento e mudança dos indivíduos em relação a enfermidades. No entanto, 16 Estados ainda estão com esperança de vida abaixo da média nacional.

Entre as unidades da federação, o Distrito Federal tem a maior esperança de vida: 75,8 anos. Já Alagoas ocupa o último lugar com uma esperança média de 67,6 anos.

O Estado de São Paulo ocupa a quinta posição no ranking, com uma expectativa média de 74,8 anos. O Rio de Janeiro aparece em 11º (73,7 anos).

A Região Sul concentra o maior número de estados com alta expectativa de vida. Em Santa Catarina ela é de 75,8 anos.

A Região Nordeste é a última colocada.

Ranking da expectativa de vida por unidade da federação, para ambos os sexos (2009)

1º Distrito Federal

75,8 anos

2º Santa Catarina

75,8 anos

3º Rio Grande do Sul

75,5 anos

4º Minas Gerais

75,1 anos

5º São Paulo

74,8 anos

6º Paraná

74,7 anos

7º Espírito Santo

74,3 anos

8º Mato Grosso do Sul

74,3 anos

9º Goiás

73,9 anos

10º Mato Grosso

73,7 anos

11º Rio de Janeiro

73,7 anos

12º Bahia

72,6 anos

13º Pará

72,5 anos

14º Amazonas

72,2 anos

15º Acre

72,0 anos

16º Tocantins

71,9 anos

17º Rondônia

71,8 anos

18º Sergipe

71,6 anos

19º Rio Grande do Norte

71,1 anos

20º Amapá

71,0 anos

21º Ceará

71,0 anos

22º Roraima

70,6 anos

23º Paraíba

69,8 anos

24º Piauí

69,7 anos

25º Pernambuco

69,1 anos

26º Maranhão

68,4 anos

27º Alagoas

67,6 anos

Fonte: IBGE. 2010

Os números apresentados tornam-se ainda mais expressivos quando se constata a relação diretamente proporcional que a doença de Alzheimer mantém com o aumento da idade.

Esses dados também são úteis para demonstrar a importância da doença no meio médico, alertando os planejadores de saúde para essa grave questão de saúde pública.

Prevalência e incidência

Para os epidemiologistas, essa situação espelha um verdadeiro desafio, pois se constatam alguns importantes aspectos:

 

No Brasil, não há dados objetivos à respeito da doença de Alzheimer, porém, é possível com base em alguns índices estimar a sua frequên­cia no meio médico.

Quando se deseja medir a frequência de uma doença, é necessário que dois dados sejam estabelecidos: os casos já existentes ou antigos (prevalência) e os novos (incidência).

Dá-se o nome de prevalência de uma doença ao número de casos que existam, não importando se novos ou antigos.

Chama-se incidência o número de casos novos de uma doença num determinado período de tempo.

As taxas estimadas de incidência e prevalência para a doença de Alzheimer, de acordo com o Estudo Longitudinal de Baltimore, demonstram que a taxa de incidência aos 60 anos é de aproximadamente 10% (Kawas et al., 1997, 2000; Zonderman, 2005).

A taxa dobra a cada cinco anos e, ao redor dos 85 anos, é 9 vezes maior do que aos 69 anos de idade.

As taxas de prevalência apresentam aumento geométrico a partir dos 60 anos de idade, ultrapassando os 50% aos 95 anos.

 

Estudo Longitudinal de Baltimore

Idade específica, incidência e prevalência
 por 1.000 habitantes (1958-1978)

Idade

Incidência

Prevalência

61

0,95

0,89

62

1,09

1,91

63

1,26

3,08

64

1,44

4,42

65

1,66

5,96

66

1,91

7,73

67

2,19

9,75

68

2,52

12,08

69

2,89

14,74

70

3,33

17,80

71

3,82

21,30

72

4,39

25,30

74

5,80

35,12

75

6,67

41,11

76

7,66

47,95

77

8,81

55,74

78

10,12

64,62

79

11,63

74,72

80

13,37

86,19

81

15,46

99,20

82

1765

113,92

83

20,29

13055

84

23,31

149,27

85

26,79

170,28

86

30,79

193,79

87

35,39

219,99

88

40,67

249,05

89

46,74

281,11

90

53,71

316,27

91

61,73

354,56

92

70,94

395,92

93

81,53

440,20

94

93,70

487,08

95+

107,68

536,14

54-54

– 0,25 Molsa (1982).

54-55

55-65 – 0,72 Molsa (1982).

 

Número de pessoas com Alzheimer por idade - EUA

(em milhões)

Ano

Idade 65/74

Idade 75/84

Idade 85+

Total

2000

0,3

2,4

1,8

4,5

2010

0,3

2,4

2,4

5,1

2020*

0,3

2,6

2,8

5,7

2030*

0,5

3,8

3,5

7,7

2040*

0,4

5,0

5,6

11,0

2050*

0,4

4,8

8,0

13,2

*Projeção aproximada


Uns dos melhores e mais completos estudos relativos ao cálculo de incidência de demência é o de Hagnell (Gustafson et al., 1998) que conduziu pessoalmente um levantamento estatístico de demências em grande grupo de indivíduos e os reexaminou dez anos depois. Esse mesmo grupo foi reexaminado por Ojesjo 25 anos depois.
Os resultados foram bastante próximos daqueles verificados por Mortiner (2005) que, utilizando os dados do Estudo Longitudinal de Baltimore com voluntários idosos, encontrou uma taxa de incidência anual em torno de 1%, em pessoas com 65 anos ou mais.


Utilizando esses dados, de outros países, com base nas estatísticas populacionais brasileiras do último censo (IBGE, 2000), estima-se a prevalência da doença de Alzheimer em 1,2 milhão pacientes, com a incidência de 100 mil novos casos por ano.

Referências Bibliográficas

Amaducci L, Baldereschi M, Doody R, Chandra V, Gaines AD. Cultural issues in the clinical diagnosis of Alzheimer disease. Position paper from the International Working Group on Harmonization of Dementia Drug Guidelines. Alzheimer Dis Assoc Disord. 1997;11 Suppl (3):19-21.

Bacanu SA, Devlin B, Chowdari KV, DeKosky ST, Nimgaonkar VL, Sweet RA. Heritability of psychosis in Alzheimer disease. Am J Geriatr Psychiatry. 2005 Jul;13(7):624-7.

Berg L, McKeel DW, Miller JP, et al.  Clinicopathologic studies in cognitively healthy aging and Alzheimer disease: relation of histologic markers to dementia severity, age, sex, and apolipoprotein E genotype. Arch Neurol 1998;55:326-335.

Bertram L, Tanzi RE. Alzheimer’s disease: one disorder, too many genes? Hum Mol Genet. 2004 Apr 1;13 Spec No (1):R135-41.

Bertram L, Tanzi RE. The current status of Alzheimer’s disease genetics: what do we tell the patients? Pharmacol Res. 2004 Oct;50(4):385-96.

Bird TD. Familial Alzheimer’s disease (editorial). Ann Neurol 1994;36:335-336.

Blansjaar BA, Thomassen R, Van Schaick HW. Prevalence of dementia in centenarians. American Psychiatric Association program, June 1998.

Brunner EJ. Social and biological determinants of cognitive aging. Neurobiol Aging. 2005 Dec;26 Suppl (1):17-20.

Camarano AA, El Ghaouri SK. Idoso brasileiros: que dependência é essa? In: CAMARANO (org). Muito Além dos 60: os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro: IPEA, 1999, p.281-306.

Camarano AA, Kanso S, Leitão e Mello J. Quão além dos 60 poderão viver os idosos brasileiros? In: Camarano, Ana Amélia (org). Os Novos Idosos Brasileiros: Muito além dos 60? Rio de Janeiro: IPEA, 2004, p. 77-105.

Camarano AA, Kanso S; Leitão e Mello J. Como vive o idoso brasileiro? In: CAMARANO, Ana Amélia (org). Os Novos Idosos Brasileiros: Muito além dos 60? Rio de Janeiro: IPEA, 2004, p. 25-73.

Camarano AA. Muito além dos 60: os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro, IPEA: 382 p., 1999.

Camargos MCS, Perpétuo IHO, Machado CJ. Expectativa de vida com incapacidade funcional em idosos em São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica17(5/6):379–86, 2005.

Cullum CM, Rosenberg R.  Memory loss -- When is it Alzheimer’s disease?  JAMA 1998;279:1689-1690.

Di Carlo A, Baldereschi M, Amaducci L, Lepore V, Bracco L, Maggi S, Bonaiuto S, Perissinotto E, Scarlato G, Farchi G, Inzitari D. Incidence of Dementia, Alzheimer’s Disease, and Vascular Dementia in Italy. The ILSA Study. J Am Geriatr Soc. 2002 Jan;50(1):41-48.

Duarte EC. Epidemiologia das desigualdades em saúde no Brasil: um estudo exploratório. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002. 123 p.

Duarte Yao, Lebrão, ML, Lima FD. Contribuição dos arranjos domiciliares para o suprimento de demandas assistenciais dos idosos com comprometimento funcional em São Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica 17(5/6):370-8, 2005.

Evans DA, Bennett DA, Wilson RS, Bienias JL, Morris MC, Scherr PA, Hebert LE, Aggarwal N, Beckett LA, Joglekar R, Berry-Kravis E, Schneider J. Incidence of Alzheimer disease in a biracial urban community: relation to apolipoprotein E allele status. Arch Neurol. 2003 Feb;60(2):185-9.

Frenk J, Frejka T, Bobadilla JL et al. La transicion epidemiológica en America Latina. Bol. Of. Sanit. Panam., 111:485-96, 1991.

Fries JF. Successful aging: an emerging paradigm of gerontology. Clin Geriatr Med 18:371-82, 2002.

Fries JF. The Compression of Morbidity. The Milbank Memorial Fund Quarterly 61(3):397-419, 1983.

Gruenberg EM. The failures of success. The Milbank Memorial Fund Quarterly 55(1):3-24, 1977.

Gustafson L, Brun A, Englund E, Hagnell O, Nilsson K, Stensmyr M, Ohlin AK, Abrahamson M. A 50-year perspective of a family with chromosome-14-linked Alzheimer’s disease. Hum Genet. 1998 Mar;102(3):253-7.

Havens B. Long term care into the 21st century. Bold 7:2-4, 1997.

Hebert LE, Beckett LA, Scherr PA, Evans DA. Annual incidence of Alzheimer disease in the United States projected to the years 2000 through 2050. Alzheimer Dis Assoc Disord. 2001 Oct-Dec;15(4):169-73.

Hebert LE, Scherr PA, Beckett LA, et al. Age-specific incidence of Alzheimer’s disease in a community population. JAMA 1995;273:1354-1359.

Hebert LE, Scherr PA, Bienias JL, Bennett DA, Evans DA. Alzheimer disease in the US population: prevalence estimates using the 2000 census. Arch Neurol. 2003 Aug 1;60(8):1119-22.

Hebert LE, Scherr PA, Bienias JL, Bennett DA, Evans DA. State-specific projections through 2025 of Alzheimer disease prevalence. Neurology. 2004 May 11;62(9):1645.

Hebert LE, Scherr PA, McCann JJ, Beckett LA, Evans DA. Is the risk of developing Alzheimer’s disease greater for women than for men? Am J Epidemiol. 2001 Jan 15;153(2):132-6.

Henderson AS, Easteal S, Jorm AF, et al. Apolipoprotein E allele E4, dementia, and cognitive decline in a population sample. Lancet 1995;346:1387-1390.

Henderson S. Epidemiology of dementia. Ann Med Interne (Paris). 1998 Jun;149(4):181-6.

Jellinger KA, Attems J. Prevalence and pathogenic role of cerebrovascular lesions in Alzheimer disease. J Neurol Sci. 2005 Mar 15;229-230(1):37-41.

Jorm AF, Butterworth P, Anstey KJ, Christensen H, Easteal S, Maller J, Mather KA, Turakulov RI, Wen W, Sachdev P. Memory complaints in a community sample aged 60-64 years: associations with cognitive functioning, psychiatric symptoms, medical conditions, APOE genotype, hippocampus and amygdala volumes, and white-matter hyperintensities. Psychol Med. 2004 Nov;34(8):1495-506.

Kaur M, Balgir PP. APOE2 and Consanguinity: A risky combination for Alzheimer’s disease. J Alzheimers Dis. 2005 Dec;8(3):293-7.

Kawas C, Gray S, Brookmeyer R, Fozard J, Zonderman A. Age-specific incidence rates of Alzheimer’s disease: the Baltimore Longitudinal Study of Aging. Neurology. 2000 Jun 13;54(11):2072-7.

Kinsella K, Gist YJ. Older workers, retirement, and pensions: a comparative chartbook. US census Bureau, Series IPC/95-2. US Government Printing Office, Washington DC, 1995. 76 p.

Kinsella K, Velkoff VA. Aging in Eastern Europe and former Soviet Union. US census Bureau, Series P95/93-01. US Government Printing Office, Washington DC, 1993. 96 p.

Kinsella K, Velkoff VA. An Aging World 2001. US census Bureau, Series P95/01-1. US Government Printing Office, Washington DC, 2001. 184 p.

Kinsella K. Population and health transitions. US Bureau of the Census, Current Populat5ion Reports, Series P95/92-2. US Government Printing Office, Washington DC, 1992. 52 p.

Laurenti R, Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD. A confiabilidade dos dados de mortalidade e morbidade por doenças crônicas não-transmissíveis. Ciência & Saúde Coletiva, 9(4):909-20, 2004.

Litwin H, Haj-yahia MM. Informal support networks among aging populations in transition. Bold 7(1):27, 1996.

Moreira MM. O envelhecimento da população brasileira: intensidade, feminização e dependência. Rev Bras Estudos Pop, Brasília; ABEP, 1:79-94, 1988.

Nogales AMV. Causas de morte em idosos no Brasil In: Anais do XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP. Saúde e longevidade. Caxambu, 2004.

Omran AR. The epidemiologic transition: a theory oh the epidemiology of population changes. The Milbank Memorial Fund Quarterly 49(4): 509-38, 1971.

Panza F, D’Introno A, Colacicco AM, Capurso C, Del Parigi A, Caselli RJ, Pilotto A, Argentieri G, Scapicchio PL, Scafato E, Capurso A, Solfrizzi V. Current epidemiology of mild cognitive impairment and other predementia syndromes. Am J Geriatr Psychiatry. 2005 Aug;13(8):633-44.

Pascom ARP, Camarano AA. Idosos brasileiros: diferentes regionalmente? In: Anais do XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP. Caxambu, 2002, v. 1, 33p.

Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cad. Saúde Publ 8(2):168-175, 1992.

Qu QM, Qiao J, Han JF, Yang JB, Guo F, Luo GG, Yang H, Cao HM, Ju XC, Wu CB. The incidence of dementia among elderly people in Xi’ an, China. Zhonghua Liu Xing Bing Xue Za Zhi. 2005 Jul;26(7):529-32.

Schönknecht P, Pantel J, Kruse A, Schröder J. Prevalence and natural course of aging-associated cognitive decline in a population-based sample of young-old subjects. Am J Psychiatry. 2005 Nov;162(11):2071-7.

Skoog I, Nilsson L, Palmertz B, et al. A population-based study of dementia in 85-year-olds.  New Engl J Med 1993;328:153-158.

Varghese ST. Dementia prevalence. Br J Psychiatry. 2005 Jun;(186):542.

Wilkins R, Adams OB. Health Expectancy in Canada late 1970s: demographic, regional, and social dimensions. Am J Public Health 73:1073-80, 1983.

Zonderman AB. Predicting Alzheimer’s disease in the Baltimore longitudinal study of aging. J Geriatr Psychiatry Neurol. 2005 Dec;18(4):192-5.

 

Veja também:

Aspectos socioeconômicos

Etiologia e Fatores de Risco

Neuropatologia

Genética

Neuroquímica