Alois Alzheimer

A Mais Completa Biografia Ilustrada de Alois Alzheimer

O Portal de Conteúdo Sobre Alzheimer na Web Mundial

Aspectos socioeconômicos

Como a doença de Alzheimer (DA) é uma enfermidade crônica de evolução lenta (com duração de até mais de vinte anos), além do fato de que nas fases avançadas o paciente torna-se completamente dependente, incapaz de alimentar-se, banhar-se ou vestir-se sozinho o impacto econômico sobre a sociedade é considerável.

Dados estatísticos demonstram que nos Estados Unidos, em 1986, foram gastos de 25 a 40 bilhões de dólares. Outras estimativas, como a de Stone et al. (1990), preveem cifras astronômicas de 720 bilhões de dólares em 2030, com base em 7% de inflação anual, com crescimento de 22% da população com mais de 60 anos.

Atualmente, a DA custa por ano à sociedade norte-americana cerca de 183 bilhões de dólares, e o governo arca com pouco mais de 10 bilhões. Isso quer dizer que mais de 170 bilhões de dólares são gastos pelos pacientes e por suas famílias em exames complementares e cuidados prestados diretamente ao paciente. No mundo, o gasto com as demências chega a 604 bilhões de dólares.

Hoje, cerca de 5,4 milhões norte-americanos são portadores de DA, que é responsável por 100.000 óbitos por ano, sendo a sexta causa de morte em adultos. Estima-se que, em 2050, de 11 a 16 milhões de norte-americanos serão portadores da doença de Alzheimer.

O número de pacientes é estimado em 35,6 milhões no mundo. Em razão do envelhecimento da população global, esses números aumentarão significativamente, em 2030, serão 65,7 milhões e em 2050, 115.4 milhões de portadores, sendo dois terços deles em países em desenvolvimento.

Como se trata de doença que acarreta grande impacto no seio familiar e estimando-se em média 3 familiares direta ou indiretamente envolvidos, o número assustador de mais de 13 milhões de pessoas nos Estados Unidos é de alguma forma atingido por essa verdadeira epidemia.

Em razão dessa abrangência, a doença de Alzheimer ultrapassa as fronteiras da medicina para converter-se num problema de ordem socioeconômica, com particular e especial repercussão no núcleo familiar.

No Brasil, não há dados estatísticos concretos sobre a doença, porém pode-se afirmar que a presença da doença de Alzheimer no país também é significativa, atingindo cerca de 1,2 milhão brasileiros.

Sabe-se que, a partir dos 65 anos, de 10% a 15% dessa população será afetada, e que, a partir dos 85 anos, praticamente a metade dos indivíduos apresentará a doença.

Como a família média brasileira é composta de 3 a 4 pessoas, esse dado remete a cifras assustadoras, uma vez que a doença de Alzheimer atinge direta ou indiretamente mais de 4 milhões de indivíduos no Brasil. Esse contingente enorme de pacientes indefesos e dependentes de cuidados diuturnos cresce constante e inexoravelmente, devendo merecer especial atenção das autoridades responsáveis pela saúde pública.

Negar esses dados é negar a realidade.

As alterações geradas dentro da família são de tal dramaticidade que se impõe a necessidade urgente de implementar medidas de apoio, tanto para o doente como para seus familiares.

Ao contrário de certos países europeus e dos Estados Unidos, o Brasil não tem planos para o enfrentamento dessa grave questão. Apenas algumas iniciativas tímidas e isoladas foram verificadas.

Só nos Estados Unidos, existem mais de 1.000 grupos de suporte familiar oficiais e mais de 250 associações com ações regionais.

Referências Bibliográficas

Anders Wimo,Martin Prince .World Alzheimer Report 2010.The Global Economic Impact of Dementia.Alzheimer’s disease international (Adi) 21 september 2010.

Camargo ABM, Saad PM. A transição demográfica no Brasil e seu impacto na estrutura etária da população. In: Fundação SEADE. O Idoso na Grande São Paulo. São Paulo: SEADE, 1990. p. 9-25.

Carmo EH, Barreto ML, Silva Jr. JB; Mudanças nos padrões de morbimortalidade da população brasileira: os desafios para um novo século. Epidemiologia e Serviços de Saúde 12(2):63-75, 2003.

Crentsil V. The pharmacogenomics of Alzheimer’s disease. Ageing Res Rev. 2004 Apr;3(2):153-69.

Delia EP. The demography of ageing: its economic implications. In: The demographic aspects of population ageing and its implications for socio-economic development, policies and plans. International Institute on ageing (United Nations), Malta, 1994. p. 97-100.

Evans DA, Funkenstein H, Albert MS, et al.  Prevalence of Alzheimer’s disease in a community population of older persons: higher than previously reported. JAMA 1989;262:2551-2556.

Evans DA, Hebert LE, Beckett LA, Scherr PA, Albert MS, Chown MJ, Pilgrim DM, Taylor JO. Education and other measures of socioeconomic status and risk of incident Alzheimer disease in a defined population of older persons. Arch Neurol. 1997 Nov;54(11):1399-405.

Fries JF. The Compression of Morbidity. The Milbank Memorial Fund Quarterly 61(3):397-419, 1983.

Gruenberg EM. The failures of success. The Milbank Memorial Fund Quarterly 55(1):3-24, 1977.
Kinsella K. Population ageing in developing countries. In: Meeting the challenges of ageing populations in the developing world. Malta: United Nations Institute on Ageing, 1996. p. 23-46.

Myers GC, Coltrane LL. Social implications of ageing in developing countries. In: The demographic aspects of population ageing and its implications for socio-economic development, policies and plans. International Institute on ageing (United Nations), Malta, 1994. p. 88-96.

Schramm JMA, Oliveira AF, Leite IC et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 9(4):897-908, 2004.

Sicras A, Rejas J, Arco S, Flores E, Ortega G, Esparcia A, Suárez A, Gordillo MJ. Prevalence, Resource Utilization and Costs of Vascular Dementia Compared to Alzheimer’s Dementia in a Population Setting. Dement Geriatr Cogn Disord. 2005 Mar 22;19(5-6):305-315.

Turra CM, Queiroz BL. Intergenerational transfers and socioeconomic inequality in Brazil: a first look. Trabalho apresentado no Taller sobre Transformaciones Demográficas, Transferências Intergeneracionales y Proteccion Social en América Latina, Celade, Santiago, Chile, 2005.

Wong L, Carvalho Jam. Demographic bonuses and challenges of the age structural transition in Brazil. Apresentado no XXV IUSSP General Population Conference. Tours, France, 18-23 July, 2005.

 

Veja também:

Epidemiologia

Etiologia e Fatores de Risco

Neuropatologia

Genética

Neuroquímica